META
5
Saúde
Diminuir a taxa de mortalidade infantil em 5% na cidade de São Paulo, priorizando regiões com as maiores taxas.

Valor base
10,86 em 1.000

Período base
2015

PROJETOS ASSOCIADOS
Sugerir projeto
A seguir há uma lista de projetos. Clique no cabeçalho para exibir seu conteúdo, clique novamente para fechar seu conteúdo.
  • Resultados esperados
    Redução do número de mortes de crianças até 1 ano por causas evitáveis, possibilitando que estas atinjam de forma plena o seu desenvolvimento integral.

    Justificativa
    O Coeficiente de Mortalidade Infantil (CMI) é padronizado internacionalmente, como indicador das condições de saúde de uma população. Em 2015, o CMI no município de São Paulo foi 10,8 por 1.000 nascidos vivos. Cerca de 70% dessas mortes ocorreram no primeiro mês de vida sendo a maioria nos primeiros 7 dias. Esta redução do CMI impõe muitos desafios como: o combate às grandes diferenças regionais, especificidades e necessidades locais. Estes dados refletem a complexa cadeia causal, em que a assistência à gestação, ao parto e ao recém-nascido tem papel fundamental, com elevada importância da articulação da rede de Atenção Básica até a Atenção Hospitalar de maior complexidade.

    Promover o Planejamento Reprodutivo adequado e oportuno, principalmente às mulheres e adolescentes em situação de vulnerabilidade, duplicando a disponibilidade anual de métodos contraceptivos de longa permanência (implante subdérmico) mantendo-se o número mínimo de 2.000 inserções por ano até 2020.

    Fortalecer o Pré-natal, captando precocemente as gestantes (até 8ª semana de gestação) e realizando a busca ativa com ênfase em grupos vulneráveis.

    Qualificar a atenção ao recém-nascido nas maternidades municipais por meio: 1) do manejo obstétrico na imaturidade pulmonar e nas complicações do parto. 2) da prevenção de infecções. 3) da atualização das equipes de neonatologia em reanimação neonatal e nos protocolos clínicos.

    Ampliar a oferta de vagas em serviços de referência terciários que compreendem os hospitais de alta complexidade (Estaduais e Convênios) para rastreamento, diagnóstico precoce e tratamento das malformações congênitas, ante e pós-natal, em especial nas lesões potencialmente tratáveis.

    Garantir a realização da 1ª consulta do recém-nascido em até 07 dias na Atenção Básica ou na visita domiciliar para avaliar o bebê e orientar rotinas.

    Implantar grupos de alta qualificada nas 8 maternidades municipais (com orientações à puérpera e seu acompanhante quanto à importância do aleitamento materno, cuidados de higiene, prevenção de riscos, acompanhamento da mãe e do bebê na Atenção Básica, etc.).

    Capacitar pelo menos 75% das equipes de Atenção Básica para o Aleitamento Materno exclusivo até 6º mês de vida e alimentação complementar saudável até pelo menos 2º ano.

    Capacitar 100% das equipes de Atenção Básica - (médicos e enfermeiros) para as Doenças prevalentes no período neonatal e no 1º ano de vida.

  • Resultados esperados
    Acelerar a informatização da saúde com a implementação do prontuário eletrônico e Cartão SUS, promovendo a integração de todas as unidades, inclusive as administradas pelas Organizações Sociais. Promover o compartilhamento de dados e informações dos pacientes, melhorando a resolutividade do sistema, facilitando a referência e contra-referência entre as unidades e evitando a duplicação de exames e procedimentos que encarecem e sobrecarregam o sistema de Saúde.

    Justificativa
    O processo de implantação do prontuário eletrônico nos equipamentos de saúde do município teve início, mas ainda são necessárias muitas ações no sentido do desenvolvimento de novas funcionalidades, integração e utilização em larga escala pela rede.

    Implantar o Prontuário Eletrônico em 70% dos hospitais da rede municipal de saúde.

    Implantar o Prontuário Eletrônico em 50% dos Ambulatórios de Especialidades da rede municipal de saúde.

    Implantar o Prontuário Eletrônico em 100% das Unidades Básicas de Saúde - UBS.

    Desenvolver Aplicativo para que os Usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) possam conhecer informações sobre os serviços mais adequados, próximos e qualificados para os atendimentos de saúde pretendidos ou necessários.

    Prover aos usuários do SUS do município o acesso digital direto ao sistema de agendamento de suas consultas, exames e procedimentos.

    Ampliar o Telessaúde, duplicando o número de teleconsultores, garantindo a cobertura de todas as Prefeituras Regionais.