META
10
Saúde
Transformar São Paulo em uma Cidade Amiga do Idoso, obtendo o selo pleno do Programa São Paulo Amigo do Idoso.
PROJETOS ASSOCIADOS
Sugerir projeto
A seguir há uma lista de projetos. Clique no cabeçalho para exibir seu conteúdo, clique novamente para fechar seu conteúdo.
  • Resultados esperados
    Aumento da expectativa de vida saudável, com mais qualidade, por maior período de tempo, e possibilidade de uma vida mais ativa e participativa.

    Justificativa
    A prevenção das doenças crônicas não transmissíveis – DCNT é foco de preocupação nos países desenvolvidos e em desenvolvimento.; Aassociadas a altos índices de mortalidade, respondem por significativos impactos em termos de piora da qualidade de vida, produtividade e funcionalidade das pessoas. Caracterizam-se por apresentarem poucos sintomas e são marcadas por altos índices de “não seguimento periódico de cuidados com a saúde”. Geralmente associadas a hábitos de vida pouco saudáveis (tabagismo, inatividade física, alimentação não saudável, uso abusivo de álcool e obesidade), podem evoluir com complicações usualmente a partir dos 40 anos. O enfrentamento das doenças crônicas deve buscar o desenvolvimento de políticas públicas que fortaleçam as ações de promoção da saúde, assim como o cuidado às pessoas já diagnosticadas, impedindo ou retardando a instalação de complicações.

    Fortalecer as ações de rastreamento e implantar o monitoramento da abordagem mínima e básica do Programa do combate do Tabagismo nas unidades de saúde, garantindo-as em 100% das unidades.

    Aumentar para 95% o número de Unidade Básicas de Saúde (UBSs) que oferecem Práticas Integrativas e Complementares em Saúde para o combate da inatividade física.

    Ampliar o desenvolvimento de ações individuais e coletivas de promoção da alimentação adequada e saudável.

    Implantar na Atenção Básica o rastreamento dos fatores de risco para DCNT (dislipidemia, hipertensão arterial, diabetes tipo II, uso de álcool, obesidade).

    Elaborar e implantar, junto às Coordenadorias de Saúde, os Planos Regionais de Atenção Integral à Saúde do Homem.

    Fortalecer a capacidade de resposta da Atenção Básica no enfrentamento das DCNT por meio de ações de Educação Permanente junto as Coordenadorias de Saúde, com objetivo de elaborar os "Planos Regionais de Educação Permanente para o Enfrentamento das DCNT".

    Diminuir a mortalidade por insuficiência cardíaca descompensada nas unidades de emergência em 40%.

    Diminuir a mortalidade por acidente vascular encefálico (AVE) para 10% nas unidades de emergência.

    Diminuir a mortalidade por infarto agudo do miocárdio para 8% nas unidades de emergência

    Implantar 6 Centros Especializados de Reabilitação - CER.

    Revitalizar 25 Serviços de Reabilitação já existentes, garantindo melhorias na acessibilidade e segurança do paciente, de forma a habitá-los e/ou mantê-los como Centros Especializados de Reabilitação - CER.

    Ampliar em 15% o fornecimento de órteses, próteses e meios auxiliares de locomoção - OPM nos serviços de reabilitação.

  • Resultados esperados
    Ter uma cidade que promova o envelhecimento ativo, otimize as oportunidades de saúde, participação social, visando melhorar a qualidade de vida na cidade de São Paulo.

    Justificativa
    A cidade de São Paulo tem 1.676.101 habitantes com 60 anos ou mais (14,3% da população). O rápido envelhecimento populacional ocorre em todas as Prefeituras Regionais, apontando necessidade de avaliação, reorganização da atenção e implementação de ações efetivas, para suprir as necessidades de saúde da população idosa. O projeto Cidade Amiga do Idoso (Organização Mundial da Saúde - OMS/2008) norteia ações intersetoriais (espaços abertos e prédios, transporte, moradia, participação social e cívica, respeito, inclusão social, emprego, comunicação, apoio comunitário, serviços de saúde), atendendo às necessidades relacionadas ao envelhecimento, otimizando oportunidades para Saúde, Participação e Segurança. É fundamental a mudança do modelo de atenção à saúde com ênfase na capacidade funcional e prevenção de agravos, bem como o estímulo ao Envelhecimento Ativo e melhoria da qualidade de vida à medida que as pessoas envelhecem.

    Obter o Selo Amigo do Idoso INICIAL (Secretaria de Estado da Saúde/SP).

    Obter o Selo Amigo do Idoso INTERMEDIÁRIO (Secretaria de Estado da Saúde/SP).

    Obter o Selo Amigo do Idoso PLENO (Secretaria de Estado da Saúde/SP).

    Implantar a Rede de Atenção à Saúde da Pessoa Idosa – RASPI em toda a Cidade de São Paulo.

    Realizar a Avaliação Multidimensional da Pessoa Idosa na Atenção Básica - AMPI-AB em 100% dos idosos matriculados nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) do município, utilizando-a como parâmetro de atenção à pessoa idosa.

    Constituir Equipes de Gestão de Alta nos 18 hospitais da rede municipal.

    Inaugurar 6 novas - Unidade de Referência à Saúde do Idoso (URSI): Prefeituras Regionais de Itaquera, Vila Prudente, Itaim Paulista, Butantã, Campo Limpo e Pirituba.

    Adequar a infraestrutura e os recursos humanos das 10 URSI já existentes.

    Implantar 19 novas Instituições de Longa Permanência (Nível II e III) para Idosos (ILPI) nas Prefeituras Regionais: Sé, Ipiranga, Penha, Itaquera, Pirituba, Lapa, Aricanduva, Vila Maria, Freguesia do Ó, M'Boi Mirim, Santo Amaro, Ermelino Matarazzo, Vila Prudente, Cidade Ademar, Jabaquara, Perus, Guaianases, Cidade Tiradentes e Sapopemba.

    Implantar 16 novos Centros-Dia para Idosos (CDI) nas Prefeituras Regionais: Vila Mariana, Penha, Itaquera, Pirituba, Aricanduva, Vila Maria, São Mateus, Freguesia do Ó, M'Boi Mirim, Santo Amaro, Vila Prudente, Itaim Paulista, Jabaquara, Perus, Cidade Tiradentes e Parelheiros.

    Garantir que todos os equipamentos socioassistenciais para idosos de média e alta complexidade, de SMADS (ILPI, CDI e Centro de Acolhida Especial para Idosos -CAE-Idosos) contenham profissionais de saúde.

    Ampliar o Programa Acompanhante de Idosos - PAI com novas equipes.

    Implantar serviço de Monitoramento a Distancia em 3.000 Idosos com 80 anos ou mais que moram sozinhos ou em companhia de outros (500 idosos por Coordenadoria Regional de Saúde - CRS)

  • Resultados esperados
    Simplificar a política de transferência de renda para o cidadão beneficiário e para a administração pública e fortalecer o CADÚnico, como instrumento de inteligência e planejamento da Assistência Social e das demais políticas.

    Justificativa
    A Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social (SMADS) administra, atualmente, duas bases cadastrais para programas sociais: o Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CADÚnico), base do Programa Bolsa Família e de outros programas sociais federais e estaduais, e o Banco de Dados do Cidadão (BDC), utilizado para a concessão do Programa Renda Mínima, do Município. É possível utilizar o CADÚnico para a concessão do Renda Mínima, diminuindo custos operacionais, tornando a rotina de cadastros e atualização mais rápida e simples para os cidadãos. Há ainda a possibilidade de pactuar, junto ao Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário e à Caixa Econômica Federal, o pagamento do Programa Renda Mínima no mesmo cartão e rotina de pagamentos do Bolsa Família, com menos custos e vantagens para os munícipes, que receberão todos os valores em um mesmo cartão e mesmo local. A base cadastral do CADÚnico, pelo porte que possui (mais de 1 milhão de famílias), constitui um instrumento de mapeamento de vulnerabilidades e planejamento de políticas e serviços públicos, de modo que sua constante atualização e abrangência representa um importante ganho de gestão. Hoje, há aproximadamente 60% dos usuários dos Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos inseridos no Cadastro. A taxa de atualização do CADÚnico está em torno de 60%. O Plano Decenal da Assistência Social 2016-2026 é claro ao apontar uma maior integração do CADÚnico como ferramenta da política socioassistencial como diretriz. O Programa Cidade Amiga do Idoso, do Governo Estadual, sinaliza, dentre as medidas para obtenção do Selo, a inserção de idosos no CADÚnico – há espaço para inserção de idosos com perfil de renda compatível frequentadores dos serviços socioassistenciais e para os beneficiários do Benefício da Prestação Continuada (de acordo com o Decreto Federal nº 8.805/2016).

    Unificar todos os cadastros dos beneficiários dos programas de transferência de renda, até dezembro de 2020

    Protocolizar, junto ao Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário e Caixa Econômica Federal, o pagamento do Renda Mínima, no mesmo cartão e na mesma rotina de pagamentos do Bolsa Família.

    Atingir 90% de usuários dos serviços de convivência (SCFV) inseridos no CADUnico.

    Atingir 75% taxa de atualização cadastral do CADUnico até 2020.

    Atingir 90 % de usuários dos serviços de Proteção Social Especial para idosos inseridos no CADUnico.